quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Café Royal LIV

Os Açores

Ao longo da História, as ilhas foram sempre a sua localização. “A importância internacional dos Açores foi lhe sempre atribuída […], pelo contexto da política internacional. A Horta já foi mais alemã e inglesa, e o porto de Ponta Delgada mais norteamericano do que britânico, ou francês […]; a Terceira, mais britânica e Santa Maria, mais americana, […] e até ainda há pouco tempo as Flores albergavam observadores balísticos franceses.” Explicou Medeiros Ferreira. Não compreender o valor arquipelágico das ilhas é falhar perceber os Açores. Nos últimos meses assistimos, com espanto e pavor, a uma incompreensível e inaceitável diatribe da Terceira contra São Miguel. Por causa do dossier Lajes, têm-se alimentado visões bairristas do arquipélago, sem o mais básico sentido histórico e noção do papel fundamental que cada uma destas nove ilhas, abraçadas de mar, têm para com cada uma das outras… Estar na Horta, com ou sem um copo de gin, pousar o olhar no canal e admirar a montanha que se agiganta acima do mar, desafiando o céu com a sua grandeza de vulcão é, se não toda, parte fundamental, da essência açoriana. Não saber aceitar isto é não saber nada. É não merecer ser Açores, seja no Royal, no Atanásio ou no Internacional…

in Açoriano Oriental

 

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Café Royal LIII

Reinvenção
 
Foi esta a expressão escolhida por Marcelo para marcar a sua mensagem de ano novo. Reinvenção do futuro, é o que o presidente vem pedir ao país, em particular ao atual governo, ungindo-se de um caracter messiânico, qual D. Sebastião soerguendo-se das chamas de um país calcinado. Olhando 2017 há, de facto, uma sensação profundamente amarga de um país bipolar. Por um lado, um Terreiro do Paço capaz das maiores façanhas políticas e financeiras. Por outro, todo um país deserto, envelhecido e carbonizado. A invectiva a uma regeneração que vá para além da mera reconstrução contabilística ou de engenharia civil parece, sem sombra de dúvida, um imperativo nacional. Mas onde S.Exa. o Presidente da República falha é na necessária contrição pública pelo que ficou para trás e nas suas próprias responsabilidades, seja como político, seja como pitonisa televisiva. O sistema politico partidário português, saído de Abril, degenerou numa rede sub-reptícia de aproveitamentos privados, abstraindo-se, totalmente, daquilo que o país é e precisa. Talvez a maior reinvenção que seja preciso fazer hoje, em Portugal, é de políticos e de políticas, regenerando-se algo tão simples como o interesse público. Mas, para isso, não chega tirar selfies e cultivar os afectos…